10 "doenças psíquico-mentais" de transmissão espiritual

16 dez 10 "doenças psíquico-mentais" de transmissão espiritual

1. Espiritualidade Imediatista:

Misture a espiritualidade com uma cultura que celebra a velocidade, a multitarefa e gratificação instantânea e o resultado provável é a “espiritualidade fast-food”. A espiritualidade fast-food é um produto da fantasia comum,

onde fica entendido que o alívio do sofrimento da nossa condição humana pode ser rápido e fácil. Uma coisa é clara: a transformação espiritual verdadeira em geral é lenta, interna e multifatorial.

2. Espiritualidade de aparências:

É a tendência de falar, vestir e agir imaginando

como uma pessoa espiritualmente evoluída faria. É um tipo de espiritualidade que imita a realização espiritual do mesmo modo em que um tecido tingido com a pele de um leopardo imita a pele real de um leopardo.

3. Motivações inverídicas e dogmatismos:

Embora o nosso desejo de

crescer seja genuíno e puro, muitas vezes vem misturado com outros motivos, incluindo o desejo de ser amado, o desejo de pertencer, a necessidade de preencher nosso vazio interno, a crença de que o caminho espiritual irá liberar-nos do

sofrimento, ou trazer todas as soluções e a ambição espiritual (o desejo de ser especial), ser melhor, e ser o “único”.

4. Buscar o meio

Espiritual como forma para alcançar objetivos puramente materiais:

Muito comum em grandes cidades onde as pessoas não tem tempo para desenvolver

um diálogo interno e acabam tendo predomínio do hemisfério esquerdo, ou executivo, onde o ter passa a ser a grande motivação existencial, ou ainda constituem um grupo de pessoas que cultuam o comodismo e o fisiologismo e tem a base de

circulação energética em Tchakras inferiores, onde prevalecem relações de poder. Essas pessoas costumam frequentar centros, ou igrejas onde a prerrogativa principal é a realização dos desejos.

5.”Ego Espiritualizado”:

Ocorre quando a própria estrutura da personalidade do ego é mista e

profundamente enraizado em conceitos espirituais e idéias. O resultado é uma estrutura do ego que é “à prova de bala”. Quando o ego se torna “espiritualizado”, somos invulneráveis a ajudar, ou aceitar novas informações ou ter um feedback

construtivo. Nós nos tornamos seres humanos impenetráveis e estagnamos o nosso crescimento espiritual, tudo em nome da espiritualidade. Condição muito comum em pessoas com personalidade borderline.

6. Produção em massa dos mestres espirituais:

Há uma série de tradições espirituais

da moda, hoje, que produzem pessoas que acreditam que estão em um nível de iluminação espiritual, ou mestria, que está muito além de seu nível real. Esta crença funciona como uma correia transportadora espiritual: coloca-nos nesse

“brilho”, crendo termos uma visão especial, e bam! Você está iluminado e pronto para iluminar os outros de maneira similar. O problema é apresentar-se, ou instruir assim, como se isso levasse ao domínio espiritual.

7. Orgulho espiritual:

É quando o profissional, através de anos de

esforço, realmente alcança um certo nível de sabedoria, mas usa isso para justificar a eliminação de mais experiências. Um sentimento de “superioridade espiritual” é outro sintoma desta doença transmitida espiritualmente. Ela se

manifesta como uma sensação sutil de que “Eu sou melhor que os outros, mais sábio e superior, porque eu sou espiritual”.

8. Mente

grupal:

Também descrito como pensamento grupal, presente em cultos ou doenças de ashrams, cria um vírus insidioso que contém muitos elementos de

co-dependência tradicional. Um grupo espiritual tem acordos sutis e inconscientes sobre a forma correta de pensar, falar, vestir e agir. Indivíduos e grupos infectados com o “espírito de grupo” rejeitam indivíduos, atitudes e

circunstâncias que não estão de acordo com as regras, muitas vezes não escritas, ou aceitas pelo grupo.

9. Complexo do povo escolhido:

É a crença de que “O nosso grupo é mais evoluído espiritualmente, é mais poderoso, inteligente e, em suma, melhor do que qualquer outro grupo.” Há uma

crença de que se encontrou o caminho certo, o professor certo ou a comunidade certa para si mesmos, e assim ter sido “um dos escolhidos”.

10. O

vírus mortal: “eu vim”:

Esta doença é tão potente que tem a capacidade de ser terminal e mortal para a nossa evolução espiritual. É a crença de

que “Eu cheguei” na meta final do caminho espiritual. Nosso progresso espiritual termina no ponto onde essa idéia toma forma em nossa mente. Só você pode se apaixonar por alguém que pode ver claramente (incluindo a si próprio). Amar é

ter olhos para ver e o coração para sentir. E só quando você poder ver claramente é que você pode começar a amar a si mesmo”. Assim, descobrimos  precisar de um senso de humor e com o apoio dos verdadeiros amigos

espirituais. Quando confrontados com obstáculos ao nosso crescimento espiritual, há momentos em que é fácil cair em um sentimento de desespero e declínio e perder a

confiança no caminho. Temos que manter a fé em nós e nos outros, a fim de realmente fazer a diferença neste mundo.

Referências:
http://www.huffingtonpost.com/mariana-caplan-phd/spiritual-living-10-spiri_b_609248.html

Sem Comentários

Deixe um Comentário