Fazer acontecer

27 ago Fazer acontecer

Fazer acontecer. Muitos já devem ter se perguntado do por que ser tão difícil assumirmos uma nova

situação, ou simplesmente mudar as antigas disposições de nosso dia-dia que encontram-se cada vez mais desgastadas e passam a se tornar uma bola de neve, ou fardos cada vez mais pesados para lidar, para finalmente alcançar um novo patamar.

Onde estaria o segredo para a transformação? Segundo a tradição Hinduísta, por exemplo, Shiva e Kali seriam as forças masculina e feminina responsáveis por esta transformação.

Mas, o que isto tem a ver com a nossa sociedade ocidental? Tem a ver o fato de que para todas e quaisquer mudanças ocorrerem de fato, deve haver um processo de morte-renascimento ainda que parcial, em se tratando das disposições internas. E com relação as disposições externas, deve haver um processo de transformação intensa, para um recomeço, isto é, uma reforma verdadeira, que implica muitas vezes em derrubarmos as disposições antigas para virem as novas.

Traduzindo estes processos para o universo da astrologia estas forças teriam relações com Marte, Saturno e Urano. Traduzindo:

 

  • – Marte: Força, ação
  • – Saturno: Consciência, cautela
  • – Urano: Estabelecer uma nova disposição, dar o salto quântico, ou qualitativo

 

“Quem sabe faz a hora, não espera acontecer…”, ou como dizia Einstein:”Ignorância é querer obter resultados diferentes fazendo sempre as mesmas coisas”

Como trabalhar com as disposições internas a nosso favor? Respostas dadas pela química estrelar:
As estrelas têm muito a nos ensinar quanto ao trabalho realizado internamente em nossas disposições gerais e principalmente quando o assunto tem a ver com nossas fraquezas, dores e sintomas.
Ocorre que as estrelas se nutrem basicamente do hidrogênio e do hélio que está no espaço e vão formando elementos químicos cada vez mais pesados graças a forma mais rentável de transformação da matéria em energia: a fusão nuclear, que ao juntar dois elementos químicos relativamente leves originam outros mais pesados e com liberação de gigantescas quantidades de energia.

Com a evolução, após bilhões de anos, quantidades cada vez maiores de ferro começam a surgir transformando a estrela num astro cada vez mais denso e magnético. Com o crescente acúmulo de ferro, a capacidade de acúmulo da estrela torna-se cada vez maior até se tornar tão densa em seu núcleo que explode criando o fenômeno energético mais devastador do universo conhecido como explosão de uma super-nova, que tem a capacidade de exterminar uma galáxia inteira.

Sabendo que nós e tudo aquilo que está presente em nosso planeta provêm de poeira estrelar e que os metais estrelares ficam emitindo suas radiações em todo universo há quadrilhões de anos, entendemos o porque que a manifestação energética dos metais produz tantos alterações em nosso organismo tanto para saúde, quanto para doença.


Mas, a lição mais importante é a de que para fazer acontecer, tanto internamente transformando nosso ferro em ouro, quanto externamente mobilizando ações altamente transformativas, devemos aprender a nos concentrar e aceitar as adversidades dos sintomas da forma mais coerente e natural possível, respeitando e resgatando nosso eixo, transformando nossos sintomas (manifestações elétricas) em dons de cura e assimilação internas (manifestações magnéticas).

Em termos práticos passaremos a honrar nossos sintomas como momentos sacros de transformação, ao invés de artificialmente eliminar através de medicamentos sintomáticos como anti-isso, ou aquilo, a menos que os sintomas ponham em risco a vida da pessoa, situação que só ocorre quando a pessoa perdeu muitas oportunidades de reconciliação interna.

Como alcançar esse nível de evolução transformativa?
Praticando e tendo hábitos saudáveis, como alimentação, homeopatia, acupuntura, ervas que respeitem a individualidade, e se ainda assim existem sintomas, vamos correr atrás através de exercícios, respiração e acima de tudo auto-entrega. 

Claro também que estabelecer bem nosso eixo, nosso senso de religiosidade é fundamental, daí que muitos consoguem ativar este princípio transformador através do jejum e da oração, outros através do silência meditativo, outros através de rituais, outros através da dança e da brincadeira e ainda outros através da sintonização com outra pessoa. 

Tudo depende da fase de cada um, o ideal é termos um equilíbrio entre nossas disposições internas, para aproveitarmos melhor cada oportunidade que a vida nos oferece

Sem Comentários

Deixe um Comentário