Infecção crônica: diagnóstico e Tratamento pela Suplementação, homeopatia e ervas.

13 mar Infecção crônica: diagnóstico e Tratamento pela Suplementação, homeopatia e ervas.

Infecção crônica tem origem em desequilíbrios bioquímico-moleculares que predispõem a invasão de agentes infectantes e a instalação dos mesmos em órgãos ou tecidos susceptíveis.

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Dentro de nossos intestinos temos 9 x mais bactérias do que células em todo nosso organismo. Estas bactérias consomem 9 x mais nutrientes do que aquilo que passa para nossa circulação e 90% da serotonina é produzida pelos intestinos. Portanto, a fome que temos por determinado alimento não é nossa, mas sim das bactérias que estão nos intestinos e elas podem migrar para circulação sanguínea causando quaisquer tipos de Infecções crônicas.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Infecção crônica : A depender da nossa predisposição às Doenças e Infecções crônicas e do que estivermos comendo, ou entrando em contato podemos desenvolver bactérias boas ou ruins. Com ajuda da clínica, exames complementares e corroborados pela bioressonância podemos modificar essa predisposição  e pelo estabelecimento do tipo de população infectante e seu correspondente local de crescimento, definimos o melhor tratamento sem efeitos colaterais.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Infecção crônica ocorre pela invasão de tecidos corporais de um organismo hospedeiro por parte de organismos capazes de provocar doenças; a multiplicação destes organismos; e a reação dos tecidos do hospedeiro a estes organismos e às toxinas por eles produzidas. Uma doença infecciosa corresponde a qualquer doença clinicamente evidente que seja o resultado de uma infeção, presença e multiplicação de agentes biológicos patogênicos no organismo hospedeiro. Especificamente é através dos intestinos que a maior parte das bactérias passa a fazer parte da circulação sanguínea, sempre que houver algum nível de má digestão. Seja por comer em excesso, ou rapidamente, ou em momento inadequado, ou ainda comida de má qualidade o resultado é a fermentação excessiva dos alimentos nos intestinos com consequente inflamação e aumento da permeabilidade intestinal, com consequente migração das bactérias dos intestinos, para a circulação, perpetuando a Infecção crônica.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Tanto a disbiose intestinal, quanto qualquer Infecção crônica presente como canais dentários, ou micose de unhas pode levar bactérias, ou fungos à nossa circulação. E mesmo a aterosclerose pode estar diretamente associada com a presença de microorganismos, e 97% dos pacientes com câncer terminal já tiveram o procedimento odontológico de canal realizado anteriormente! Durante um episódio de infecção crônica não há meios convencionais eficazes em geral e as bactérias perigosas escondem-se em locais inacessíveis ao organismo, como num dente submetido a canal, onde as bactérias ficam protegidas aos antibióticos!

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Como consequências da Infecção crônica num local susceptível do nosso organismos, podemos evoluir para vários tipos de doenças: – Doenças cardíacas tipo infarto e endocardites – Doenças renais tipo nefrites – Artrites e doenças reumáticas – Doenças neurológicas, como enxaquecas – Degenerativas como Alzheimer – Doenças auto-imunes (lúpus etc) 93 % das mulheres com câncer de mama tiveram os canais tratados, 7 por cento tinham outra patologia oral. Tumores, na maioria dos casos, ocorrem no mesmo lado do corpo com o canal radicular (s) ou outra patologia oral. – Como essas bactérias mutantes orais estão relacionadas com doenças cardíacas ou artrite? Hoje, as bactérias podem ser identificadas usando análise de DNA, se eles estão vivos ou mortos, a partir de suas assinaturas indicadas por seu DNA.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Micose de unhas pode servir como fonte à Infecção crônica também. Estes fungos podem posteriormente levar a doenças crônicas da próstata, ou do útero.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

A depender do nosso meio interno, principalmente quanto as condições bioquímico-moleculares, uma bactéria pode se transformar em outro agente. Por exemplo: – Se o meio estiver ácido oxidado, uma Escherichia coli pode se transformar num fungo, do tipo cândida. – Se o meio estiver alcalino oxidado, pode se transformar em um vírus tipo herpes, daí a dificuldade de se tratar aInfecção crônica pela medicina convencional – Mas, se o meio estiver com as condições bioquímico-moleculares e energéticas corretas, ocorre a eliminação dos agentes infectante.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Uma ajuda amais ao tratamento da Infecção crônica foi dado por Tesla, que foi o maior cientista do século passado e dizia: “Se quisermos saber os segredos do Universo, então pensemos em termos de energias, frequências e vibrações…”

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

O mecanismo de cura principal foi negado pela Medicina Convencional: trata-se do Nosso Eixo Psíquico-Neuro-Imuno-Endócrino-Energético-Funcional sendo regido pela nossa Energia vital e promovedora do restabelecimento à saúde. Graças a Bioressonância é possível detectar as disposições energéticas opostas à cura e então debelar a Infecção crônica.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Uma vez identificados os principais envolvidos no desequilíbrio bioquímico-molecular, o tratamento fica bem mais centrado e podendo-se eliminar vários sintomas, com a simples remoção de apenas um principal fator. É como que se tivéssemos encontrado o fio solto principal de um novelo, possibilitando a informação correta ao organismo, para haver a resolução da Infecção crônica.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Mesmo o tratamento convencional à Infecção crônica pode agora ser corretamente direcionado, claro sempre antes de mais nada graças aos dados obtidos pela avaliação clínica, laboratorial e corroborados pela bioressonância.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Terapia com Suplementos:
indicados a partir de dados obtidos pela clínica, exames complementares e corroborados pela bioressonância.
Aqui apenas alguns exemplos:
De acordo com o quadro clínico apresentado e da resposta de cada organismo podemos pensar no uso de vitaminas:
– E,
– C,
– D3,
– B1,
– B2. B3, B6
– Ác. fólico
– Elementos como: selênio,
– cobre,
– enxôfre,
– silício,
– Potássio (principalmente se edema)
– Amino-ácidos como:
– cisteína,
– metionina,
– lisina,
– prolina e
– Taurina,
– DMSO, MSM,
– Vit. K2,
-Luteína,
– CoQ10,
– Betaína,
– Ác. alpha lipóico.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Demais Tratamentos (Acupuntura e Homeopatia) Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução de Doenças Crônicas e Infecção crônica, através da associação da homeopatia e acupuntura, devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado. Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bioressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas. E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de demais especialistas.

Agende uma consulta!

Entre em contato conosco nos seguintes telefones: 3889-0273/5549-7651 ou se preferir, mande um e-mail para clement.hajian@gmail.com

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”Infecção crônica” />Infecção crônica

Infecção crônica & Referências: – http://orthomolecular.org/nutrients/proteins.shtml – http://orthomolecular.org/nutrients/fats.shtml – Güllüce M, Sökmen M, Daferera D, et al. In vitro antibacterial, antifungal, and antioxidant activities of the essential oil and methanol extracts of herbal parts and callus cultures of Satureja hortensis L. J Agric Food Chem. 2003;51(14):3958-3965. – Cichewicz RH, Thorpe PA. The antimicrobial properties of chile peppers (Capsicum species) and their uses in Mayan medicine. J Ethnopharmacol. 1996;52(2):61-70. – Kuo CF, Chen CC, Luo YH, et al. Cordyceps sinensis mycelium protects mice from group A streptococcal infection. J Med Microbiol. 2005;54(pt 8):795-802. – Candan F, Unlu M, Tepe B, et al. Antioxidant and antimicrobial activity of the essential oil and methanol extracts of Achillea millefolium subsp. millefolium Afan. (Asteraceae). J Ethnopharmacol. 2003;87(2-3):215-220. – Wu YR, Gong QF, Fang H, et al. Effect of Sophora flavescens on non-specific immune response of tilapia (GIFT Oreochromis niloticus) and disease resistance against Streptococcus agalactiae. Fish Shellfish Immunol. 2013;34(1):220-227. – Pochapski MT, Fosquiera EC, Esmerino LA, et al. Phytochemical screening, antioxidant, and antimicrobial activities of the crude leaves’ extract from Ipomoea batatas (L.) Lam. Pharmacogn Mag. 2011;7(26):165-170. – Vermani A, Navneet P. Screening of Quercus infectoria gall extracts as anti-bacterial agents against dental pathogens. Indian J Dent Res. 2009;20(3):337-339. – Janecki A, Conrad A, Engels I, et al. Evaluation of an aqueous-ethanolic extract from Pelargonium sidoides (EPs 7630) for its activity against group A-streptococci adhesion to human HEp-2 epithelial cells. J Ethnopharmacol. 2011;133(1):147-152. – Conrad A, Jung I, Tioua D, et al. Extract of Pelargonium sidoides (EPs 7630) inhibits the interactions of group A-streptococci and host epithelia in vitro. Phytomedicine. 2007;14(suppl 6):52-59. – Tsao N, Kuo CF, Lei HY, et al. Inhibition of group A streptococcal infection by Melaleuca alternifolia (tea tree) oil concentrate in the murine model. J Appl Microbiol. 2010;108(3):936-944. – Martin KW, Ernst E. Herbal medicines for treatment of bacterial infections: a review of controlled clinical trials. J Antimicrob Chemother. 2003;51(2):241-246. – Warnke PH, Becker ST, Podschun R, et al. The battle against multi-resistant strains: renaissance of antimicrobial essential oils as a promising force to fight hospital-acquired infections. J Craniomaxillofac Surg. 2009;37(7):392-397. – Joycharat N, Limsuwan S, Subhadhirasakul S, et al. Anti–Streptococcus mutans efficacy of Thai herbal formula used as a remedy for dental caries. Pharm Biol. 2012;50(8):941-947. -Lobo PL, Fonteles CS, de Carvalho CB, et al. Dose-response evaluation of a novel essential oil against Mutans streptococci in vivo. Phytomedicine. 2011;18(7):551-556.- – Berrios RL, Arbiser JL. Effectiveness of gentian violet and similar products commonly used to treat pyodermas. Dermatol Clin. 2011;29(1):69-73. – Stoff B, MacKelfresh J, Fried L, et al. A nonsteroidal alternative to impetiginized eczema in the emergency room. J Am Acad Dermatol. 2010;63(3):537-539. – Tschudin-Sutter S, Frei R, Egli-Gany D, et al. No risk of surgical site infections from residual bacteria after disinfection with povidone-iodine-alcohol in 1014 cases: a prospective observational study. Ann Surg. 2012;255(3):565-569. – Markum E, Baillie J. Combination of essential oil of Melaleuca alternifolia and iodine in the treatment of molluscum contagiosum in children. J Drugs Dermatol. 2012;11(3):349-354. – Hosseini H, Ashraf MJ, Saleh M, et al. Effect of povidone-iodine concentration and exposure time on bacteria isolated from endophthalmitis cases. J Cataract Refract Surg. 2012;38(1):92-96. – Simratvir M, Singh N, Chopra S, Thomas AM. Efficacy of 10% povidone iodine in children affected with early childhood caries: an in vivo study. J Clin Pediatr Dent. 2010;34(3):233-238. – Chronister DR, Kowalski RP, Mah FS, Thompson PP. An independent in vitro comparison of povidone iodine and SteriLid. J Ocul Pharmacol Ther. 2010;26(3):277-280. – i Weston A. Price Foundationii Preço-Pottenger Fundaçãoiii Weston A. Price Foundation 25 June 2010iv Quantum Cancer Managementv . American Association of Endodontistsvi Journal of Clinical Microbiology feb 2007vii Journal of Clinical Microbiology july 2003viii Clinical Infectious Diseases Jun 1996ix Science Daily 04 January 2011x A Wealthy Dentist 12 july de 2011xi ToxicTeeth.org – http://orthomolecular.org/nutrients/vitamins.shtml – http://orthomolecular.org/nutrients/carb.shtml – Acessados em 6-3-2015 às 20:00hs – See more at: http://www.criesaude.com/infeccoes-e-doencas-cronicas-e-tratamentos-com-base-na-suplementacao/#sthash.d2cQrKuS.dpuf

Sem Comentários

Deixe um Comentário