Infecções urinárias, cistites

16 fev Infecções urinárias, cistites

Cistite, Infecção do Trato Urinário-ITU: é uma queixa comum,
principalmente em mulheres, após a menopausa.
Pela predisposição bioquímico-molecular bactérias passam à circulação, migram à urina e começam a crescer. 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

Cistite geralmente começa na abertura da uretra, onde a urina sai do corpo se move para cima e para o trato urinário.
O culpado em pelo menos 90% das infecções não complicadas é um tipo de bactéria denominada Escherichia coli, mais conhecido como E. coli.
Estas bactérias vivem normalmente no intestino (cólon) e ao redor do ânus.

Sintomas e sinais da cistite:

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

O revestimento da uretra e da bexiga se torna inflamado e irritado. – Disúria: dor ou ardor durante a micção. Frequência: há micção mais frequente (ou acordar à noite para urinar, por vezes referido como noctúria); muitas vezes, com apenas uma pequena quantidade de urina. – Urgência urinária: a sensação de ter de urinar com urgência – Dor abdominal ou pressão pélvica – Febre baixa (menos de 101 F), calafrios e “simplesmente não se sentir bem” (mal-estar) Uretra (uretrite): ardor ao urinar – Vontade de urinar mesmo com a bexiga vazia Em casos mais avançados pode ocorrer: – Sangramento na urina (hematúria) – Urina turva (como se estivesse com pus ou com talco) – Febre – Urina com odor diferente – Dor lombar (caso a infecção tenha atingindo os rins).

Como prevenir a Cistite:

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

– Melhorar a imunidade (por meio de exercícios físicos, alimentação correta, preferencialmente de acordo com a bioressonância);
– Em caso de corrimentos, tratar o mais rápido possível;
– Controlar a diabetes, verificando a glicemia, veja artigo relacionado;
– Tomar bastante líquido (a urina deve estar em tom palha e transparente);
– Ter cuidados com a higiene pessoal (mantendo sempre limpas as regiões, limpar da região vaginal à anal e nunca o oposto);
– Usar sabão neutro (que não cause irritação);
– Evitar roupas íntimas muito justas ou sintéticas,
– Trocar os absorventes ou as fraldas (no caso das mulheres mais velhas) com frequência.
– Urinar após a relação e
– Procurar evitar diaframa com espermicida e DIU de cobre.

 Terapia com Suplementos para Cistite:

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

Em geral, para casos agudos não reincidentes uma única e simples formulação associada de suplementos, ervas, alimentos e suplementos são suficientes para tratar corretamente o problema.
Em casos crônicos, ou reincidentes é necessário montar um plano de investigação das causas para o correto tratamento de cada fator predisponent, aqui só alguns exemplos de fatores a serem avaliados e corrigidos: Gastrointestinal (fibras, glutamina); Hepático (NAC, ácido alfa-lipóico, lisina e treonina, quercetina, CoQ10, Ômega 3, silimarina); Inflamatório (hesperidina, quercetina, rutina, a curcumina, gengibre, chá verde, niacinamida); Endócrino-hormonais (linhaça, co-fatores de metilação B6 B12 ácido fólico, betaína, potássio D-glucarato, curcumina), além das específicas ações para cada distúrbio endócrino em particular, com ênfase nas gônadas, supra-renais, pâncreas, timo e tiróide; Glicêmico (cromo, ácido alfa-lipóico, fibra, chá verde). Locais (Vitaminas C, D3, DMSO, MSM, carnitina, creatina, ác. alfa lipóico, citratos de sódio, ou potássio).

 Suplementos:

ciatalgia

Indicados de acordo com a avaliação clinica de cada caso e com confirmação laboratorial e ainda corroborados com a bioressonância para sabermos qual a opção certa em cada caso.
Estes suplementos devem ser tomados conforme orientação, em média durante 28 dias. Ainda pode ser necessário uma dieta de eliminação modificado (dias 1 a 7) e desintoxicação / dieta biotransformação (dias 8 a 28). Nos casos de alergia a glúten é recomendável evitar cereais contendo glúten de 3 a 4 meses: trigo, centeio, kamut, aveia, espelta, cevada, triticale. Depois disso, a ingestão é permitida do quinto ao sétimo dia de cada mês. Alimentos integrais, fibras adequada, refeições regulares e pequenos lanches saudáveis durante o dia irá suportar um nível de açúcar no sangue estável e evitar dores de cabeça.

Técnicas complementares:

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução da Cistite através da homeopatia sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado. Pela homeopatia podemos citar Cantharis na 6CH para casos agudos, ou Sepia na 200CH para Cistites crônicas. Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bioressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas. E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de demais especialistas.

Agende uma consulta!

Entre em contato conosco nos seguintes telefones: 3889-0273/5549-7651 ou se preferir, mande um e-mail paraclement.hajian@gmail.com

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”cistite”/>cistite

Cistite & Referências: 1. Minich DM, Bland JS. Acid-alkaline balance: role in chronic disease and detoxification. Altern Ther Health Med. 2007;13(4):62-65. 2. Bland JS. The future of nutritional pharmacology. Alternative Therapies in Health and Medicine. 2008;13(5):12-14. 3. An introduction to naturopathic medicine. National Institutes of Health. National Center for Complementary and Alternative Medicine. Available at: http://nccam.nih.gov/health/naturopathy/D372.pdf. Accessed Feb. 2, 2010. 4. Pizzorno JE, Murray MT. Textbook of Natural Medicine. 3rded. St. Louis, Mo.: Churchill Livingstone Elsevier Ltd.; 2006: 13, 21. 5. Jones DS, et al. 21sti> Century Medicine: A New Model for Medical Education and Practice. The Institute for Functional Medicine. Gig Harbor, Wash.: 2009. 6. Vasquez A. Web-like interconnections of physiological factors. Integrative Medicine. 2006;5(2):32-37. 7. Pauling L. Orthomolecular psychiatry. Varying the concentrations of substances normally present in the human body may control mental disease. Science. 1968:160(825):265-271. 8. Blum K, et al. DNA based customized nutraceutical “gene therapy” utilizing a genoscore: a hypothesized paradigm shift of a novel approach to the diagnosis, stratification, prognosis, and treatment of inflammatory process in the human. Med Hypotheses. 2006;66(5):1008-1018. 9. Williams RJ, Pelton RB. Individuality in nutrition: the genetotrophic principle. Science. 1965;148(3670):669-672. 10. Null G. The Clinician’s Handbook of Natural Healing. New York, N.Y.: Kensington Publishing Corp; 2000: 682. 11. McCabe P. Naturopathy, Nightingale, and nature cure: a convergence of interests. Complement Ther Nurse Midwifery. 2000;6(1):4-8. 12. Galland L. Power Healing – Use the New Integrated Medicine to Cure Yourself. New York, N.Y.: Random House; 1998: 285-287. 13.http://www.furunmedical.com/urinary-incontinence.htm 14.http://ezinearticles.com/?Complementary-and-Alternative-Treatments-for–Urinary-Incontinence&id=983937 15. http://www.medicinenet.com/urinary_tract_infection/page3.htm páginas da internet acessados em 9-2-2016 às 00:41hs

Sem Comentários

Deixe um Comentário